RedeBackup
10/12/2018 11:10:15- Seja Bem vindo a RedeBackup, internet sem fronteiras!
Publicidade
Auto Escola Areiasanta
WebRadio Areia Santa FM de Figueirão-MS
H2L Soluções para Documentos
Itararé Adm Empree e Partic Ltda
Rogério Rodrigues Rosalin
Prefeitura Municipal de Figueirão
Estudos mostram que tintas com níveis perigosos de chumbo são largamente vendidas no Brasil
   
 

Estudos conduzidos no Brasil pela Apromac (Associação de Proteção ao Meio Ambiente) e pela Toxisphera (Associação de Saúde Ambiental) fazem um alerta sobre os altos níveis de chumbo existentes nas tintas usadas na pintura de imóveis no país. Os levantamentos apontam que o mercado nacional está inundado desses produtos, utilizados sobretudo em residências, escolas, creches, hospitais e postos de saúde. A preocupação maior é de que essa adoção proporcione exposição excessiva nas crianças, a ponto de causar danos cerebrais irreversíveis e permanentes.

O alerta foi feito durante a Semana Internacional de Ação e Prevenção à Contaminação por Chumbo em Tintas, liderada pelo PNUMA (Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente) e pela OMS (Organização Mundial da Saúde). As atividades de conscientização sobre o problema acontecem em nível mundial desde o domingo, 23 de outubro. As ações prosseguem até sábado (29 de outubro). Dentro dela, várias organizações não governamentais em todo o mundo fazem um apelo aos governos para que tomem providências para banir o chumbo em tintas.

De acordo com os estudos das duas entidades, as tintas existentes no mercado continham 170 mil partes por milhão (PPM) de chumbo em 2009 e caiu para 59 mil PPM em 2012. Apesar da queda, o valor ainda é muito acima do máximo permitido pela Lei 11.762/2008, que estabelece 600 PPM nas tintas imobiliárias e de uso infantil.

A maior preocupação das ONGs é com a exposição infantil. Quando as crianças são colocadas próximas ao chumbo, seu desempenho escolar diminui e proporciona queda de rendimento laboral ao longo de toda a vida. Um levantamento recente do Departamento de Saúde Ambiental da Escola de Medicina da Universidade de Nova York investigou o impacto da exposição infantil ao chumbo para a economia dos países. Estima-se que há uma perda cumulativa total de US$ 977 bilhões (R$ 3 trilhões) por ano em países em desenvolvimento.

A perda anual estimada no Brasil é de R$ 84 bilhões, equivalente a 1,43% do PIB nacional. Na América do Sul, esse montante chega a R$ 288 bilhões. Além de causar sérios danos ao desenvolvimento da inteligência infantil, há fortes evidências de que a exposição infantil ao chumbo está relacionada ao aumento da violência, do comportamento impulsivo, dos casos de retardo mental, reduzindo o potencial de aprendizado e da produtividade laboral. Isso significa que a situação reduz as oportunidades de emprego e a produtividade na vida adulta das crianças expostas.

Diante da omissão do governo federal, a Apromac solicitou ao Ministério Público Federal do Paraná que tomasse providências urgentes para garantir o banimento do chumbo em tintas no Brasil. Em 2016, o MPF entrou com uma Ação Civil Pública contra a União e a Comissão Nacional de Segurança Química do Ministério do Meio Ambiente criou um Grupo de Trabalho para construir uma proposta de Decreto de Regulamentação da Lei, e um Projeto de Lei no Congresso para aperfeiçoar a Lei 11.762/2008.

As ONGs recomendam que o governo brasileiro implemente de fato a lei do chumbo em tintas em todo o território nacional, controlando as importações e a fabricação nacional e que não apliquem o duplo padrão de exportar tintas nacionais com chumbo para países em desenvolvimento que ainda não possuem uma regulação efetiva. Sugerem que as empresas eliminem voluntariamente o chumbo de suas tintas imediatamente e os consumidores sejam devidamente informados para exigir produtos seguros e rotulados adequadamente.

 

 
 
Colunas
 
 
#redebackup
PROVEDOR DE INTERNTE DESDE 2001.
CIDADES ATENDIDAS - CHAPADÃO DO SUL - COSTA RICA - FIGUEIRÃO E PARAISO DAS AGUAS